Archive | outubro 2012

Fort de la Bastille

Como já dito anteriormente, Grenoble é rodeada por montanhas, o que deixa a cidade um tanto charmosa. Na Chartreuse (montanha situada ao norte da cidade), encontramos o Fort de la Bastille, uma construção militar antiga, construída entre os anos de 1823 e 1847. E este foi o nosso passeio em um domingo de sol!

Hoje é principal atração turística da cidade, da Bastille temos uma vista incrível da cidade… Situada a mais de 450m de altura, existe a possibilidade de chegar no forte de teleférico ou pelas inúmeras trilhas que existem no local.

Nós optamos, é claro, pela subida por uma das trilhas! Então segue o registro do nossos objetivo…

Bastille ao fundo

O passeio é lindo, a cada etapa vencida na subida, paisagens se revelam para o registro das máquinas fotográficas.

Paisagens lindas

Existe ainda a possibilidade de subir fazendo escaladas, aqui denominadas Via Ferrata, mas já é um grau um pouco mais elevado para os principiantes aqui 😉 As escaladas são realizadas neste imenso paredão da montanha.

Via ferrata

Grenoble possui uma Avenida chamada Jean-Jaurès, que dizem ser a maior avenida em linha reta da Europa. Escutamos várias histórias a respeito, inclusive que essa avenida foi dividida (trocaram o nome após certa distância) para que a Champs-Élysée ficasse com esse “título”. Segundo o site http://www.grenoblecmieux.com/L-avenue-la-plus-rectiligne-d.html e pesquisas minhas, essa informação não procede, eis que a famosa avenida parisiense possui apenas 2km, e apenas umas das partes da Avenida de Grenoble, considerando-a dividida, tem 2,5km. Considerando-a na sua totalidade temos pouco menos que 8km.

Jean-Jaurès

Lançada a discussão, seguimos no passeio…

subindo…

Teleférico, carinhosamente chamado de “Bolhas”

Curiosidade: o teleférico de Grenoble é o mais antigo teleférico urbano construído no mundo, datado de 1934. Subindo por ele, passa-se por cima do Rio Isère, com uma vista linda.

Chegando no Forte, fomos curtir o terraço do restaurante (sim há um restaurante com uma vista incrível lá, jantinha programada para as visitas), onde há o mirante Vauban com diversas informações sobre a história do local e da cidade, além da indicação dos pontos turísticos e prédios da cidade que se encontram diante dos nossos olhos. A vista deste local é sensacional, e ficamos por um bom tempo curtindo o solzinho, ou no bom gauchês… lagarteando!

Rios Isère e Drac

Estudando a paisagem

Lagarteando

 Grenoble foi cede das olimpíadas de inverno de 1968, e no terraço da bastille há informações a respeito… na foto a informação de que nesta olimpíada foi criado o primeiro mascote olímpico.

O primeiro mascote

Mascote

Subindo um pouco além da parte principal da Bastille, encontramos as Grutas Mandrin, que foram construídas em 1844 para servir como esconderijo para os soldados se movimentarem sem serem vistos pelos inimigos… são corredores imensos e escuros, muito interessantes.

Entrada para a gruta

…descendo…

nos corredores da gruta

 E subindo ainda mais chegamos em um local lindo, onde foi construído um monumento para homenagear os chamados “Soldados das montanhas”. Neste local há um monumento e placas de mármores com homenagens e nomes dos soldados.

Encerrando o dia, nosso retorno com vistas ainda mais bonitas!

As cores do outono

Primeiro treino

 Enfim um primeiro post sobre as corridas aqui na Europa.

Para quem acompanhou minhas aventuras no mundo das corridas, sabe bem que eu me preparei por 6 meses para realizar uma prova, uma Meia Maratona – 21,1km, ainda no Brasil, em abril deste ano. E não foi fácil não… 6 meses, 3 vezes por semana, e praticamente sozinha nos treinos que eram passados virtualmente. É bem verdade que o Cristiano me acompanhou em alguns poucos treinos durante a semana e em alguns domingos (em que os treinos eram longões, mais “tranquilos”), mas na essência…

Esse treinamento tinha um objetivo ainda maior, que era me preparar para correr aqui na Europa, em provas tão desejadas pelos corredores, como as de Paris, Berlin, Roma, Mônaco, Madri, Londres, etc.

O primeiro objetivo foi cumprido com louvor! Fiz minha primeira Meia Maratona em 2h11min, cumprindo exatamente o pace (velocidade) previsto pelo professor. Acabei inteira… no dia seguinte, um leve desconforto na coxa, coisa que sumiu em menos de 24h, o que demonstra o sucesso da preparação.

meia Meia Maratona

Feitoooo!!! 😀

me sentindo com super poderes! Que dupla!!

Já o segundo objetivo… de chegar preparada aqui na Europa…

Bem, ocorre que logo após a Meia Maratona, meu corpo implorou por descanso. Já não conseguia cumprir os treinos (mesmo os mais leves) sem sentir um muito cansaço, e por vezes exaustão. E como sei da importância de ouvir o corpo, parei com os treinos.

Inicialmente era para ser uma pausa de 1 a 2 meses, mas esse momento coincidiu com a mudança de Campinas para o Rio Grande do Sul, e lá, com o frio e a vontade de ficar em casa, tomando chimarrão e curtindo a família. E seguem-se as “justificativas” para o não retorno… Nossa vinda para a França! Aqui, o calor insuportável das primeiras 3 semanas, seguidas das aulas de francês e consequente necessidade de estudar muito, além da nossa mudança para o apartamento. Tudo isso me afastou da corrida por nada mais nada menos que 5 meses.

Tudo isso??

É… uma vergonha! Analisando agora e pensando em quanto tempo levarei para readquirir aquele preparo que demorei 6 meses para conseguir… uma vergonha! Mas… voilá! De nada adianta chorar o leite derramado!

Aqui em Grenoble a gente até deu algumas corridinhas, trote leve, sem muitas pretensões, só para mostrar para o corpo que ainda queríamos correr: 7km, 7,5km, 50 minutinhos…

Mas isso não me deixava feliz, especialmente pela falta de habitualidade. Sendo assim, decidi, agora em conjunto com o Cristiano :D, reiniciar os treinos e levar a “cousa” a sério.

E segunda-feira fizemos nosso primeiro Treino: 8,4km com pace de 6m40s, ou seja, 56 minutinhos de corrida!

Foi muito agradável! Temperatura em torno de 10 graus, corremos as margens do Rio Isère Infelizmente não levei a máquina fotográfica para registrar as paisagens que vimos: o rio, árvores amareladas e avermelhadas e as montanhas com neve ao fundo!

Mas certamente faremos registros nas próximas corridas.

Aguardem!

Estamos de volta!

13 anos juntos!

Hoje, 16 de outubro de 2012, eu e o Cris completamos 13 anos juntos!

Deixo aqui registrado que sou muito feliz, uma mulher/esposa realizada ao lado do Cris.

São muitos os momentos que passamos juntos… na grande maioria momentos de alegria intensa, e aqueles mais difíceis foram suavizados pela presença e pelo companheirismo um do outro.

 

Muito obrigada Cris…

…e que venham mais e mais anos juntos!

“Serás para mim único no mundo e eu serei para ti única no mundo.”

Antoine de Saint-Exupéry

Comidinhas

Bom dia galera!

Depois de um final de semana de sucesso na cozinha, decidi escrever um post sobre as comidas daqui, afinal, era uma pergunta frequente logo que chegamos na França: “Como é a comida daí? Estão se adaptando?”

Então nada melhor do que partilhar com vocês, com algumas fotos, nossas aventuras na gastronomia francesa… mesmo que até o momento sejam poucas.

A “comida gastronômica francesa” foi incluída, em novembro de 2010, na lista de Patrimônio Imaterial da Humanidade por um comitê da Unesco, tendo sido a primeira gastronomia (o que abrange culinária, bebidas, materiais usados no preparo e rituais) a receber tal título.

Tive uma aula sobre o assunto, e a verdade é que no dia-a-dia os franceses, em especial as novas gerações, se alimentam como nós, estudantes no exterior… comendo sanduíche de baguete ou panini (quase a mesma coisa mas prensado) no almoço, muitas vezes em pé, para economizar tempo. Apesar disso, ainda percebemos um certo ritual nessa refeição rápida: entrada, prato principal, sobremesa e café.

Mas afinal, o que essa gastronomia tem de especial para ser Patrimônio Cultural Imaterial da Humanindade? Os especialistas consideram que a gastronomia francesa, com seus rituais e sua apresentação para se preparar a comida, reúne as condições necessárias para tal título. Na aula, a professora explicou que é o preparo em conjunto com a família e/ou amigos, tomando um bom vinho, jogando conversa fora, o sentar na mesa sem pressa e o reunir-se com as pessoas, que trouxe o título. É a valorização da refeição!

Confesso que lembrei muito da minha família, da casa da minha mãe, onde nos reuníamos religiosamente todos os dias ao meio-dia para almoçarmos juntos. E me perguntei: “no Brasil não é assim?” 😉

Na nossa casa era! #saudades

Importante salientar que, no geral, os franceses comem bem (em qualidade e quantidade), mas dificilmente comem fora de hora e em exagero. Talvez seja este o segredo das silhuetas finas em relação a outras nacionalidades. E nós reparamos, já na primeira semana, como as pessoas são magras aqui… nada de exagero, mas não encontramos franceses obesos, cena comum, infelizmente, no Brasil. Aqui as pessoas não fazem lanches (exceto as crianças), tendo apenas as 3 refeições principais, sendo nosso hábito muito estranho para os franceses.

 

Bem… mas vamos as nossas aventuras aqui!

Inicialmente íamos ao supermercado e, como não entendíamos nada, procurávamos produtos conhecidos como, por exemplo, presuntos e queijos não muito diferente dos que comíamos no Brasil. Aos poucos, decidimos experimentar os desconhecidos… afinal, de que adianta estarmos aqui e não experimentarmos os produtos franceses? No mercado já erramos bastante, em especial no item queijos, pois há muito que são fortes, e que não se adaptam ao nosso paladar.

Nos restaurantes também decidimos inovar e procurar por pratos, digamos, não tão comuns.

Uma comida bem típica daqui são os crepes, não muito estranhos para nós, foi o meu pedido em uma jantinha a dois… já o Cris arriscou mais, e pediu o famoso Bouef Tartare*. Ao fazermos o pedido o garçom questionou se tínhamos entendendido do que se tratava o prato… sinal de perigo? Confirmamos e veio o prato… Carne crua e ovo cru!! Isso mesmo, e o Cris tinha realmente entendido!

boeuf tartare

*Sendo esse o mais popular dos tartares (pois há tartares dos mais variados tipos, como o de salmão), é um símbolo da cozinha parisiense, e consiste de carne crua fresca e limpa, picada na ponta da faca (teoricamente não deveria ser moída) e depois temperada com cebola, alcaparras e acrescida de uma gema de ovo crua e pimenta, entre outros ingredientes que mudam de acordo com a receita.

Gentilmente o garçom explicou que para comermos deveríamos misturar esses dois ingredientes com uma mini porção (uma colher se sobremesa, exagerando) de temperinhos que estava ao lado, que ficaria gostoso…  será?

Experimentamos tudo separadamente, e era aquilo mesmo: carne crua (nem temperada era) e ovo cru! O garçom, vendo isso, falou novamente (e agora adicionando gestos para ver se comprenderíamos) que era para misturarmos com o tempero. Muito simpático o rapaz, afinal ele poderia deixar que aprendêssemos na marra 😉

Então, misturando o prato ficou bem gostoso, um prato refrescante que acompanha salada, ideal para os dias quentes. Certamente iremos experimentar outros tartares. Ahhh o crepe? Normalzinho! 😛

aprovação do tartare

crepe

Em nossa viagem a Marseille, o Cris inovou novamente no almoço e pediu um prato bem comum aqui na França, e em especial naquela cidade litorânea: Moules frites. Diferentemente do que se possa imaginar, não são mariscos fritos, mas mariscos COM fritas!  Eu, como não simpatizo muito com os bichinhos, fiquei na massa a carbonara (com ovo cru sobre a massa bem quente, como manda a receita original).

moules frites

No aniversário do Cris, como já demonstrado aqui, fiz bolo recheado, brigadeiros e uma tortinha de atum que ele gosta muito. Cervejinha e refri básicos para oferecer para 3 amigos que vieram na nossa casa (nossas primeiras visitas). Nossa amiga francesa comentou que iríamos na casa deles para uma recepção tipicamente francesa… nada de tortinhas… a base: baguete, queijos e vinho! Mais ou menos o que fizemos em uma noite quente ainda no hotel

petiscos com vinho e baguete

A baguete aqui é realmente o principal pão da França… Comem junto ao almoço para “limpar” o prato (segundo Caco Antibes, bem coisa de pobre), em recepções ou pique-niques com queijo e vinho, ou mesmo na rua, como fizemos ao sair do mercado!

baguete debaixo do braço 😉

Aqui, mais comum que o frango, temos o pato! Sabia que gostaria, pois da minha vinda para a França em 2002, tinha na memória um almoço na casa de meus tios onde esse prato foi servido… é uma carne com o sabor mais forte (e também um pouco mais escura) que a carne de frango, muito saborosa.

Nesta semana fomos num Restaurante Cambodgienne et Thaïlandaise, em homenagem ao amigo Gazzoni que estava casando e que adora este tipo de comida. Pedimos dois pratos diferentes com pato, os dois muito saborosos.

exótico?

Não esperávamos muito desse restaurante, situado em uma região mais barata da cidade e recheada de imigrantes árabes, o restaurante não era dos mais bonitinhos. O preço, muito convidativo, chegou a me assustar no primeiro momento… seria boa a comida? Pedimos entrada, bebidas como aperitivos, prato principal e vinho para acompanhar. Nos surpreendemos!!

Com diversos pratos diferentes e com o tempero forte característico dos pratos orientais, certamente voltaremos muitas vezes neste restaurante!

Sobre os doces e sobremesas: os franceses comem sobremesa praticamente todos os dias, mas sempre algo leve, como frutas da estação, queijo com frutas ou iogurte. Não é o costume deles terem sobremesas como as nossas, doces de verdade como eu digo! Até tem uma tortinha ou outra, mas nada muito açucarado. Aliás, o açúcar mais utilizado pelos franceses é o açúcar de beterraba, que possui um poder de adoçar bem menor que o nosso açúcar da cana-de-açúcar.

Mas eles possuem muitas pâtisseries aqui que são as nossas confeitarias, onde vendem verdadeiras obras-de-arte no quesito guloseimas, ideal para acompanhar o cafezinho.

Uma dessas delícias típicas é o famoso macaron! Me aguentei por um mês e meio até comprá-los, e acho que isso fez com que minha expectativa fosse muito alta. Esse famoso doce nada mais é do que uma espécie de “bem-casado”, mas ao invés de massa de bolo, usa-se um merengue. O recheio é variável (e acompanha a cor), como chocolate, café, framboesa, baunilha, limão, etc.

macarons

E claro, não poderia deixar de falar do meu sucesso neste final de semana… eu fiz um pato (é, parece que gostei mesmo do bichinho) em casa! Criei a receita, pois não tinha os ingredientes necessários para seguir uma receita francesa a risca… pato com vinho branco, acompanhado de purê. Modéstia a parte… ficou uma delícia!

pato ao vinho branco

Servidos?

bon appétit

 

 

 

 

Chamrousse

Há alguns dias fiz um post sobre o clima daqui e comentei que da sacada daqui do quarto do hotel onde estávamos dava para ver as montanhas com neve, lembram?

Pois bem, no dia 09/set fomos até essa montanha… “à procura da neve encantada”!! Hehehe!! Viajei! 😛

Assim, partimos no domingo para um passeio, uma bela caminhada na cidade de Chamrousse. Há 30km de Grenoble, essa pequena cidade ou aldeia é por aqui chamada de “village” (cidade em francês é “ville”), com aproximadamente 460 habitantes, distribuídos em 13,3km2 (possui uma Prefeitura), e com altitude média de 1912m, chegando a 2440m. É uma comunidade rural e tem como principal atração turística a beleza natural e uma estação de ski.

Após 1h de ônibus (apesar dos poucos quilômetros), chegamos a Chamrousse e partimos para uma caminhada, seguindo uma trilha no GPS.

Um primeira paradinha para registrar a neve ao fundo, resquícios daquela semana fria que relatamos no post http://vivendonafranca.petry.rs/2012/09/03/ahhh-o-verao/.

“A” neve!!

Nestas caminhadas se perder é normal, ainda mais para os iniciantes… mas confesso que, sem e tratando de montanhas, a vista sempre compensa a caminhada extra!

Após aproximadamente 1h40min, chegamos ao primeiro lago! O local é encantador, pois se trata de um lago no meio das montanhas!

Após este lago as trilhas são mais puxadas, e não encontramos mais crianças no caminho. Mas a cada momento somos surpreendidos com a beleza de um lago no meio do nada, ou simplesmente das montanhas com o silêncio profundo do local.

Este lago, nos encantou de uma forma especial… suas águas cristalinas permitiam enxergarmos o fundo de pedras.

Por fim chegamos ao último lago, ou conjunto deles. Com uma beleza indescritível, ficamos admirando a paisagem por um bom tempo!

 Mas… e a neve? Sim, encontramos a “neve encantada” mais de perto… infelizmente não tão de perto para fazer guerrinha, e nem em grande quantidade, mas clarooo que eu registrei!!

a neve

Caramba… na foto parece loucura a minha animação com a neve, mas juro que ao vivo ela encontrava-se mais próxima e em maior quantidade! 😉

Terão que vir no inverno para sentir e conferir!!

Para encerrar o passeio e compensar a caminhada de quase 5h e a descida da montanha que veio a seguir (grau de dificuldade alto), a paisagem que vimos lá no topo da montanha era linda, de uma estação de ski!

O local é lindo e apaixonante nesta época do ano, que teoricamente é para ser a menos encantadora, pois não temos neve, nem flores! Alguém duvida que teremos outro post sobre Chamrousse em breve?

NOSSA AUSÊNCIA

Oi Galeraaaaaa!

Sentiram nossa falta?

Eu senti a falta de vocês… mas volto cheia de novidades!

A primeira e principal, é a justificativa para o nosso sumiço: realizamos nossa mudança… enfim estamos no nosso apartamento! Perceberam o negrito?? Não, não é um kitnet, muito menos um studio!! 😀

No dia 25/09 fizemos nossa mudança… foi puxado e eu explico porque: aqui os serviços em geral são super caros! Todos eles, desde arrumar um eletrodoméstico (e por isso é comum encontrar micro-ondas no lixo – nós vimos aqui no nosso prédio – pois é mais caro arrumar que comprar outro), consertar carro (perguntem os preços, nós sabemos!!), serviços de beleza (massagem, manicure, pintura), e como não podia deixar de ser, fazer a mudança!

Sendo assim… bora carregar TUDO no braço! Tudo?? Não seriam apenas as malas?

Seriam… se não tivéssemos comprado todo o apartamento de um casal de brasileiros que estava indo embora. Eu disse TODO O APARTAMENTO, ou seja, cama, cômoda, estante de livros, mesa e cadeiras, estante de estudo, sofá, frigobar, máquina de lavar roupas… tudo, tudo… no braço!!

Nossa “mini van” alugada!

encaixa aqui, encaixa ali…

Tivemos um dia muito puxado, com monta e desmonta de móveis, carrega e descarrega… a consequência: muito cansaço e dores no corpo – eu que diga… tilex 30, meu parceiro, não fez nem cócegas!

Bem… hoje estamos com nosso apartamento arrumado. Ele é do tipo improvisado, apartamento de estudante que vai ficar no imóvel 1 ano: cômoda cinza, mesa beje, mesinha preta e outra roxa… eu diria, um carnaval! Mas como todo carnaval é época de alegria, estamos super felizes no nosso cantinho!

Ahhhh e a parte boa? Neste apartamento poderemos acampar as visitas! 😉 pensamos em cada um de vocês quando entramos no apartamento para visitá-lo a primeira vez… “dá pra acomodar todo mundo no quarto e na sala!!”

Nossa “solitária” – quarto sem janelas!

Cozinha grande 😀

sala

Espero que gostem… e agora está liberado… estamos esperando as visitas! Quem serão os primeiros??

32 anos do meu Guri

Hoje, dia 02/10, é o aniversário do Cris!
Apesar de estarmos aqui na França, lugar onde desejamos estar por muito tempo, em datas como essa sentimos o vazio… Natural!
Por isso fiz questão de preparar um bolinho, brigadeiros e uma tortinha para o meu amor!

20121002-193205.jpg

Tem cervejinha também, e da boa, porque ele merece!!

Então amor… Deixo aqui o meu desejo de que sejas sempre muito feliz, que conquistes tudo o que desejares e continues sendo essa pessoa encantadora e adorável que me deixou apaixonada desde a primeira vez!

Te amo muito, cada dia mais e mais!
Grande beijo da tua esposa

20121002-193704.jpg