A Primeira Consulta (escrito em 29/11/2012)

Hoje fizemos a nossa primeira consulta médica. Estudamos bastante, afinal sequer sabíamos o que esperar de uma consulta pré-natal, ainda mais em francês. Confesso que na hora fiquei bem tensa e decepcionada comigo mesma, pois não entendia nem o que a secretária estava me perguntando, aquelas perguntinhas básicas como endereço, se tinha seguro saúde, estado civil, etc. 

Mas foi o médico me chamar (ahhh eu não entendi quando ele chamou meu nome) e entrar na sala dele que tudo ficou bem.

O Dr. já sabia que eu era brasileira e começou a perguntar para o Cris, em inglês e francês, o que eu tinha. Fui mostrando de cara quem manda no pedaço e respondi: “je suis enceite!!” 😛

Simmmm, eu estou grávida!!

Entreguei o exame e ele confirmou o já confirmado!

 

Primeira frase da consulta propriamente dita: “gravidez não é doença”, e me recomendou que seguisse a vida normalmente!!

 

Calculou a data provável para o parto: 04/08/2013, e passamos para o Ultra-Som.

Nosso bebê ainda não é um embrião… ele o chamava de “sac noir”, ou seja, “saco preto”. E isso foi exatamente o que vimos na imagem, um pontinho preto, que, graças à Deus, estava super bem.

Passou informações sobre alimentação, pediu alguns exames de sangue e marcou nossa próxima consulta.

Percebemos que aqui os médicos são um tanto mais objetivos e tratam a gestação assim, objetivamente.

Para terem uma idéia, ele nem me pesou, disse que fará isso em todas as consultas, dando a impressão de que a partir da segunda é que começa mesmo as consultas pré-natal, devido a possibilidade de aborto natural. E ele fala dessa chance de abortar com muita naturalidade, afinal, é natural e se ocorrer normalmente não é culpa da mulher.

 

Bem, em aproximadamente 15 ou 20 minutinhos nossa consulta tinha terminado!

Saí feliz da vida por saber que nossa sementinha está bem… simples assim!

One thought on “A Primeira Consulta (escrito em 29/11/2012)

  1. Monsignor Fisichella, Lei crede che il Parlamento possa fare una buona legge? Quale che uscirà, se la farà, sarà una leroo-cempggmesso che lascerà tutti insoddisfatti. credo che sia preferibile lasciare le cose come stanno. purchè la magistratura non interferisca. se una legge non c’è, la magistratura non può sostituirsi alla legge. se è così, sono inutili tutte le leggi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *