Archives

Mais um sonho realizado

Feitooooo!!!

O sonho de participar da Meia Maratona de Paris foi realizado, com sucesso!! Na verdade há mais de 1 ano e meio, porém sempre é tempo de postar e ao mesmo tempo recordar!!

Aqui deixo o registro de como foi…

No dia 07 de março de 2015, um dia antes da prova, já na Cidade Luz, fomos até o parque Bois de Vincennes buscar o kit da prova.

Caminhamos um pouco no parque para chegar até o local da retirada dos kits, um parque lindo e super bem cuidado… perfeito para quem tem crianças (sim… esse é meu mundo!).

IMG-20150307-WA0005

IMG-20150307-WA0006

IMG-20150307-WA0008

IMG-20150307-WA0011

Quase 35 mil inscritos e passamos por 3 locais: entrega do atestado médico para participar da prova, retirada do kit e retirada da camiseta. 3 filas? Nada!! Apenas na camiseta pegamos uma fila de menos de 1 minuto!! Nota dez para a organização!!

 

Fim do sábado em casa (na dos queridos primos), hora de cuidar da alimentação e hidratação… parte difícil do final de semana. Pois estando na companhia super agradável da Cibele (prima), do Rodrigo (“primo agregado”) e do Cris, que adoram cervejas e um bom vinho, eu e o Rodrigo tivemos que ficar na água mesmo. Ok, faz parte!! Dormir cedo também… voilá

O grande dia chegou: 08 de março, dia internacional das mulheres, dia da Semi-Marathon de Paris 2015 – le défi du printemps (o desafio da primavera).

Após acordar cedo e tomar o café da manhã, eu e o Rodrigo partimos para o parque Bois de Vincennes. No metrô já começamos a sentir o clima da prova… pessoal “fardado” fez meu coração perceber de verdade que estava chegando o grande momento. Comecei a achar legal!

Chegando no local a magia começou: música alta, pessoal alongando e correndo, alguns (poucos para o que eu esperava) fantasiados, grupos de corridas… entrei totalmente no clima, já comecei a aquecer dançando 😛

IMG-20150308-WA0001

Nos posicionamos na nossa faixa de partida e ficamos ali, curtindo a galera, alongando e aguardando a largada (10:40). Ahhh, vou explicar: a prova tem tanta gente que a largada precisa ser dividida conforme a previsão de tempo da prova. Eu e o Rodrigo, ao nos inscrevermos, colocamos que pretendíamos fazer a prova em 1h50min, assim, nosso horário de saída ficou o mesmo, às 10h40min. A primeira largada foi às 10h.
20150308_102550

O percurso é relativamente tranquilo, passando por locais lindos como o Hotel de Ville, o Siena, Notre Dame… Poucas subidas e todas elas leves.

Água, frutas secas, banana, laranja, tudo a cada 5 km. Sem faltar para quem estava mais “atrasadinho”, o que raramente ocorria nas provas que eu participava. Tonéis de lixo reciclável para as garrafas de água também chamaram a atenção, apesar de muitos corredores não usarem os mesmos e jogarem as garrafas no chão… pq?

Muitas, muitas bandinhas ao longo da prova… para mim foi um grande diferencial. Pensa comigo: correndo sozinha (pois após o terceiro quilômetro eu “liberei” o Rodrigo, eis que o ritmo dele é mais forte), num pace mais forte que o habitual (e isso é praticamente inevitável quando se está em uma prova que tu querias tanto participar… inevitável e previsto) e o cansaço pegando na segunda metade da prova… daí tu olha um grupo de pessoas tocando música para ti, sorrindo, fantasiados… muito bom! Uma verdadeira injeção de adrenalina!!

A galera que acompanhava a prova e gritava ALLEZ ALINE (e nessas horas agradecia meus pais por terem me dado um nome francês), ao lerem meu nome na camiseta, sorrindo e batendo palmas… nota dez para eles!! Muito bom, adrenalina na veia!!

No Km 14 tinha uma subida que me obrigou a diminuir bastante o ritmo, fazendo com que o fôlego caísse bastante e demorasse um pouco para eu recuperar o pace médio que vinha fazendo. Mas faz parte… bora continuar a prova!!

Terminei bem, feliz da vida, apesar de sozinha! Confesso que preferia estar ao lado do marido (que ficou cuidando do nosso pequeno… merci mon amour) ou de um amigo, mas… são coisas da vida!! 😉

 

 

img-20150308-wa0017

 

img-20150308-wa0019

E depois, hora de comemorar em grande estilo!!!
img-20150308-wa0018

Essa é uma prova que eu recomendo muito para quem procura por alguma corrida aqui na França. Além de ser em Paris, uma cidade que eu adoro, linda, é uma corrida muito bem organizada, certamente a melhor grande prova que eu já participei!!

Meia maratona de Paris!! Agora vai!

Este post é especial para mim, vim aqui para contar sobre minhas corridas.

Bem, acho que no início desse blog comentei por aqui que queria muito aproveitar o fato de estar morando na Europa para fazer algumas corridas interessantes, para isso me preparei desde o Brasil (em 2011/2012) e fiz minhas primeiras provas longas em SP (10 milhas e Meia Maratona), no ano de 2012.

Chegando aqui na França naquele mesmo ano, corri alguns meses, e adorava… a cidade é a mais plana da França e tem um rio lindo, com trilha e pista de caminhada ao longo desse rio, além de vários parques, sendo o maior dele com 2,5km de extensão.

Ocorre que, como todos já sabem, logo engravidei, e precisei diminuir a intensidade dos treinos nos primeiros meses, pela delicadeza do momento e pelo cansaço físico que tomou conta desse corpitcho.

No segundo trimestre de gestação, quando estava mais disposta, tentei me preparar para a Meia Maratona de Paris (fiz minha inscrição algumas semanas antes de engravidar), mas o medo de que algo desse errado com minha gestação me fez desistir… fiquei bem frustrada na época (post aqui), mas segura de minha boa decisão.

 

Well… quando decidimos voltar para a França em 2015, uma das primeiras providências foi me inscrever novamente na Meia Maratona de Paris!!!

 

Mas quando fiz a inscrição, estava parada (não completamente, mas quase) desde o quinto mês de gestação, ou seja, há praticamente 1 ano e meio!

 

O jeito foi contratar novamente um professor  que já tinha me acompanhado em 2011/2012 e que me passa os treinos online.

DECISÃO CERTÍSSIMA, foi passar o primeiro treino e a vontade de correr aflorou!! Como dar um retorno negativo para cada dia de treino? Seria muita vergonha… então bora treinar!!

E assim passaram-se 4 meses de treinamento, com algumas dificuldade, como por exemplo, correr em Santa Maria, onde não há parques e a cidade é um sobe e desce sem fim, sem falar no calor de 28 graus às 7h da manhã. Ainda teve a fase da mudança duas semanas difíceis, em que passei encaixotando coisas, arrumando malas, e a noite só queria capotar (tudo além do normal, cuidar do Pedro). Depois a viagem e a adaptação ao inverno europeu (além de cuidar do Pedro, hehehe)!!

 

Um domingo chuvoso fui correr, já aqui em Grenoble, e pensava: “só eu mesma para sair com chuva para correr…”, e em pouco tempo passava alguém correndo ou fazendo caminhada (especialmente grupos de idosos, super dispostos), ou ainda uma família passeando e as crianças andando de bicicleta… sim, tudo na chuva!! Gente correndo? A todo momento!!

Então, não podia reclamar… eu coloquei essa prova no meu calendário, e correr 21km (em torno de 2h) não é para qualquer um. Um amigo meu diz que sim, é para qualquer pessoa, desde que se dedique ao treinamento, se for saudável (leia-se sem doenças ou impedimentos médicos) e se dedicar, todo mundo consegue! Então… não é para qualquer um se dedicar e se esforçar… é difícil sair da casa quentinha, deixar teu filho fofo brincando e ir correr no frio ou na chuva, mas é compensador!! Eu assino embaixo: vale muito a pena!!

Ninguém falou que seria fácil, e isso que torna ainda mais saborosa a vitória ao terminar uma prova.

 

E ela, a MINHA GRANDE PROVA,  será dia 08/03, no próximo final de semana: Meia Maratona de Paris, me aguarde!!!

 

E por aqui, aguardem fotos desse dia!! Em breve… muito breve…

Voltando à ativa!!

Depois de muito tempo sem escrever e muito mais sem correr, retorno para contar uma boa nova: estou de volta!!
De volta aos treinos, de volta às corridas de rua… Longe do sedentarismo, das terríveis dores nas costas, do cansaço e da indisposição!!

Parei de correr quando estava com 5 meses de gestação (em março de 2013) após fazer 17km e perceber que as articulações estavam sofrendo com a corrida… Abri mão da Meia Maratona de Paris em prol da segurança da minha gestação e da minha paz interior, mas essa foi uma decisão bem difícil!!!
Depois do nascimento do Pedro cheguei a correr umas 4 vezes ainda em Grenoble, mas desisti por conta do frio, do retorno ao Brasil que se aproximava e por preferir ficar com o Pedro a sair para fazer  qualquer coisa (mesmo que fosse correr) sem ele.

Bem, já aqui no Brasil, bem instalada e adaptada, ensaiei voltar a caminhar/correr por um bom tempo, mas era vencida pela preguiça e pelo cansaço decorrente do sedentarismo.

Então percebi que essa corrente de sedentarismo e cansaço precisava ser quebrada: estar cansada por não fazer atividade, e não me mexer por estar cansada… Continuar assim não ia dar certo!

Mas o ponto forte para decidir sair da zona de conforto foram minhas costas. Notei que em muito pouco tempo teria que parar de dar colo para o Pedro por conta das fortes dores… E isso certamente acabaria comigo. Então… Boa fazer alguma coisa para mudar essa situação.

Ajudou muito a chegada do momento em que o Pedro passou a dormir umas 2h a tarde. Perfeito!! Com uma pista do lado de casa e o marido trabalhando em casa, pude deixar o Pedro dormindo e sair me exercitar.

Caminhadas… 1200m de corrida… 2000m de corrida… E descubro uma prova de corrida de rua aqui na minha cidade: 4,8km. Era o empurrãozinho que estava faltando.

Sábado, 06/09, 21:00 – corrida noturna de Santa Maria. E lá estávamos eu e o maridão!!

Antes da prova, brincadeiras procurando o troféu dos últimos colocados… Mas a consciência de fazer um ritmo bem leve para conseguir terminar a prova bem.

image

Dada a largada!! 30 segundos se passaram… E estávamos entre os 10 últimos!!! :O

O Cristiano apertou o ritmo, e eu respondi que aquela galera toda que  praticamente desapareceu na nossa frente ia diminuir o ritmo em breve, afinal início de prova é sempre super empolgante… E ainda acrescentei: “olha essas tiazinhas gordinhas… Certo que passaremos elas!”

E não passamos!!! #mordealíngua

Corremos forte, ritmo médio de 10km/h, e ficamos entre os 5 últimos colocados da prova!!

image

Terminamos exaustos… Mas felizes e o principal: DETERMINADOS! Determinados a não sermos mais sedentários, a cuidar da nossa saúde, e a treinar…

E que venha a Meia maratona de Paris 2015 😉

Troca de sonhos!

Fazem quase 7 meses que estamos aqui na Europa e este é recém o terceiro post sobre corridas… inicialmente penso na palavra VERGONHA, pois as primeiras pessoas que me falaram em fazer um blog enquanto estivesse aqui na França, justamente o fizeram pensando em um blog sobre corridas, que seria para relatar os lugares diferentes e maravilhosos de treinos, além claro das provas que participaria!!

Mas hoje troco essa palavra por ESCOLHA! E quem vem acompanhando o blog, e percebendo os inúmeros posts na categoria “diários da gestação”, entende bem o que estou falando! Optei por escolher um sonho para realizar neste momento… o de ser mãe, com tranquilidade!

Acredito que este post veio na hora certa… agora com a cabeça e o coração mais “no lugar”, entendendo um pouco mais meus sentimentos que ficaram tão confusos nas últimas 2 semanas, e consigo escrever um pouco a respeito.

Voltando um pouco no tempo...

Voltando um pouco no tempo…

Na semana em que desconfiei que estava grávida e fiz o exame de sangue, fiz 3 treinos de corrida, aliás o mais intenso deles foi logo após retirar sangue para descobrir que seria mamãe!! Não sei ao certo se o fato de que estava desconfiada influenciou, ou se com 2 semanas de gestação a frequência cardíaca já aumenta tanto para sentir a diferença, mas nesses treinos já me sentia mais cansada e com redução do fôlego!!

Após a confirmação do exame, os treinos foram suspensos por uma semana, até a primeira consulta médica. Claro que dentre as inúmeras perguntas de uma mamãe de primeira viagem estava a possibilidade de continuar correndo, ao que o médico foi muito claro: “Sim, vida normal!” Salientou que devido ao aumento da frequência cardíaca não teria o mesmo fôlego (já tinha percebido), que deveria respeitar isso, mas como já estava habituada, não teria problema algum.

Não contente com a resposta médica (mais porque o Dr. sequer perguntou há quanto tempo eu corria, ou por quanto tempo eu corria), fiz o mesmo questionamento, mas dessa vez com maior profundidade – falando de tempo de exercícios e inclusive da minha vontade de participar de uma prova, a Meia Maratona Paris – com a médica que me acompanha do Brasil, recebendo a mesma resposta, a liberação com algumas restrições!

OK… liberada por dois médicos, vamos treinar? #sóquenão!!

 

Falhei e o tempo foi passando, corria sem regularidade, deixando que vários fatores tirassem o meu foco!

É verdade que nunca parei totalmente, não deixando com que o corpo esquecesse o que era a corrida e o meu condicionamento não reduzisse, mas já percebia que esse não era mais o mesmo.

Mas aos poucos voltei. Em janeiro uma corrida de 7km após quase um mês me deixou muito feliz e animada para retomar o exercício e quem sabe ainda participar da minha tão sonhada Meia Maratona! Tinha a consciência de que não seria como a realizada em São Paulo, com rendimento, tempo, sucesso conquistado com treino e dedicação… aliás, sabia que teria que intercalar com caminhadas para respeitar a frequência cardíaca máxima baixíssima que me é imposta durante a gestação!

Até este momento nunca temi, nunca pensei em não participar da prova e estava firme e segura com essa decisão!

 

Chegou a semana da prova. E após um treino um pouco mais longo (mas dentro dos limites impostos, caminhando e tudo mais), meu coração passou a bater de uma forma diferente – não, fisicamente era igual, mas emocionalmente… – e uma avalanche de emoções tomou conta de mim!!

Posso dizer que aqui na Europa foram os dias mais angustiantes que passei… conversava com o Cris a respeito, mas tendo a liberação médica do obstetra (inclusive por escrito) ele estava tranquilo (e estaria comigo na prova para não permitir que o meu entusiasmo acarretasse em um consequente exagero), e deixava a decisão em minhas mãos!

Ok… decidido: nós vamos!! Os objetivos seriam a participação e a diversão, sabia que seria retirada da prova (pois não conseguiria cumprí-la no tempo máximo permitido), mas queria estar lá, em Paris, numa corrida, com minha barriga pintada e um sorrisão no rosto! Decidida, peguei o cartão para comprar as passagens de trem, o que faria logo após meu treino… #sóquenão!!

Neste treino mais uma avalanche de emoções! Corria chorando, tudo se misturava dentro de mim, dúvidas, certezas, arrependimentos… então a decisão final!

Optei por abrir mão do sonho de participar da Meia Maratona Paris (a qual, de certa forma, comecei a me preparar em 2011), pela tranquilidade do meu coração!!

Ao falar pro Cris da minha decisão, ele não entendia minha angústia, minhas lágrimas! Aceitou a decisão, claro, e disse para eu ficar tranquila! Fiquei!! Parecia ter tirado um caminhão das minhas costas, e ao contrário do que imaginava, logo o sentimento que senti foi de serenidade e de paz!

Mas ainda hoje sinto um nó na garganta quando falo do assunto, e agora ao escrever esse post… é estranho relatar isso tudo, difícil falar de tantos sentimentos contraditórios que tomam conta de mim… serão os hormônios?

 

Minha prima, em um email, me falou o seguinte: “Entendo tua tristeza sobre a maratona. O pior é que ha muitas situações assim enquanto somos mãe, pois nossas vontades e sonhos deixam de ser prioridade. Sem querer, a gente pensa mais no filho do que na gente e está disposta a abrir mão dos nossos sonhos pelos dele (…)”, por Cibele Cesca.

Sábia garota… sábia mãe!

Outro conselho de prima: “As renúncias sempre acompanham a maternidade. É o ônus do bônus! Mas todas as mulheres nascidas para serem realmente mães, dizem que o amor incondicional compensa qualquer sacrifício. (…)”, por Cristina Pascal.

 

Às vezes parece cruel pensar que estava optando pela corrida e não pela tranquilidade da minha gestação, e não pelo meu filho… realmente, dependendo da forma como colocamos fica mesmo cruel! Não vou entrar no mérito da discussão, pois o assunto não é assim tão simples… sempre podemos tornar um fato mais cruel ou mais suave, dependendo do ponto de vista e das palavras usadas!

 

Hoje tenho uma música que me faz pensar nisso tudo, uma música que fala de escolhas…

“No sim existe um não
No céu existe um chão
Vencer também traz perdas
Aceito os meios para alcançar o fim

Piso as duras pedras
Pra entrar no mar
Mas a calma da água 
Ao beijar a minha sede pela paz me eleva

Sentir
Pode doer
Sorrir
Pode esconder
Viver
Tem suas mortes
Aceito os meios pra alcançar o fim

Piso as duras pedras
Pra entrar no mar
Mas a calma da água 
Ao beijar a minha sede pela paz me eleva
Me eleva”

 

É assim que me sinto hoje, na calmaria, encontrando a paz!

 

Um Foco… um sonho!

Nossos treinos aqui em Grenoble estão andando, ou melhor, correndo!!

Estamos conseguindo manter uma certa habitualidade e seguindo uma planilha.

Fico até com vergonha de dizer que não corremos por causa da neve, da chuva e dos dias frios (ok, nos dias em Bruxelas, pela ceva também…), pois vimos tantas pessoas correndo abaixo da tempestade de neve que ocorreu no último dia 28/10 – para relembrar – que hoje não vejo mais desculpas para não treinar.

Para terem uma idéia, quando estávamos no alto da Bastilha admirando a cidade toda branca, cruzamos por várias pessoas correndo… sim: NA bastilha e COM neve!! E não foram vários 3 ou 4 pessoas… eram várias de verdade!!

Pois então… bora treinar… ou como dizem os amigos de Campinas: Vamo que vamo!!

E nada melhor para animar os treinos que um objetivo com dia e hora determinados! Pois o nosso está definido: Meia Maratona de Paris, dia 03 de março de 2013.

Para mim um sonho… participar  da Meia Maratona de Paris, que está entre as melhores do mundo, tão falada e que no Brasil eu jamais pensei em fazer (convenhamos… é muito caro viajar para a Europa para correr… ao menos para nós é inviável), só poderia ser um motivo maravilhoso para treinar, e treinar bem!!

Inscrições feitas!!

Sendo assim, bora… e conforme o prometido, resolvi levar a máquina fotográfica em um dia super especial: um dia após a neve!!

Ponto de partida… como não animar?

Em nosso “local de treinos” não nevou muito, por incrível que pareça!! E deu para correr tranquilamente… curtindo o sol que amenizava o frio deixado pela neve!!

E a paisagem que misturava as cores do outono, com o rio e a neve nas montanhas tornou esse treino mais que especial!!

Início da trilha

Uma mistura de cores apaixonante!

Adoro esse trecho!

Sempre com muita gente correndo!

E então… alguém anima a vir correr aqui?

Primeiro treino

 Enfim um primeiro post sobre as corridas aqui na Europa.

Para quem acompanhou minhas aventuras no mundo das corridas, sabe bem que eu me preparei por 6 meses para realizar uma prova, uma Meia Maratona – 21,1km, ainda no Brasil, em abril deste ano. E não foi fácil não… 6 meses, 3 vezes por semana, e praticamente sozinha nos treinos que eram passados virtualmente. É bem verdade que o Cristiano me acompanhou em alguns poucos treinos durante a semana e em alguns domingos (em que os treinos eram longões, mais “tranquilos”), mas na essência…

Esse treinamento tinha um objetivo ainda maior, que era me preparar para correr aqui na Europa, em provas tão desejadas pelos corredores, como as de Paris, Berlin, Roma, Mônaco, Madri, Londres, etc.

O primeiro objetivo foi cumprido com louvor! Fiz minha primeira Meia Maratona em 2h11min, cumprindo exatamente o pace (velocidade) previsto pelo professor. Acabei inteira… no dia seguinte, um leve desconforto na coxa, coisa que sumiu em menos de 24h, o que demonstra o sucesso da preparação.

meia Meia Maratona

Feitoooo!!! 😀

me sentindo com super poderes! Que dupla!!

Já o segundo objetivo… de chegar preparada aqui na Europa…

Bem, ocorre que logo após a Meia Maratona, meu corpo implorou por descanso. Já não conseguia cumprir os treinos (mesmo os mais leves) sem sentir um muito cansaço, e por vezes exaustão. E como sei da importância de ouvir o corpo, parei com os treinos.

Inicialmente era para ser uma pausa de 1 a 2 meses, mas esse momento coincidiu com a mudança de Campinas para o Rio Grande do Sul, e lá, com o frio e a vontade de ficar em casa, tomando chimarrão e curtindo a família. E seguem-se as “justificativas” para o não retorno… Nossa vinda para a França! Aqui, o calor insuportável das primeiras 3 semanas, seguidas das aulas de francês e consequente necessidade de estudar muito, além da nossa mudança para o apartamento. Tudo isso me afastou da corrida por nada mais nada menos que 5 meses.

Tudo isso??

É… uma vergonha! Analisando agora e pensando em quanto tempo levarei para readquirir aquele preparo que demorei 6 meses para conseguir… uma vergonha! Mas… voilá! De nada adianta chorar o leite derramado!

Aqui em Grenoble a gente até deu algumas corridinhas, trote leve, sem muitas pretensões, só para mostrar para o corpo que ainda queríamos correr: 7km, 7,5km, 50 minutinhos…

Mas isso não me deixava feliz, especialmente pela falta de habitualidade. Sendo assim, decidi, agora em conjunto com o Cristiano :D, reiniciar os treinos e levar a “cousa” a sério.

E segunda-feira fizemos nosso primeiro Treino: 8,4km com pace de 6m40s, ou seja, 56 minutinhos de corrida!

Foi muito agradável! Temperatura em torno de 10 graus, corremos as margens do Rio Isère Infelizmente não levei a máquina fotográfica para registrar as paisagens que vimos: o rio, árvores amareladas e avermelhadas e as montanhas com neve ao fundo!

Mas certamente faremos registros nas próximas corridas.

Aguardem!

Estamos de volta!