Tag Archive | Amsterdam

Amsterdam

Essa cidade sempre esteve nos nossos planos… sempre pensamos em conhecê-la!

Após a nossa ida a Bruxelas, visitar a Cibele, o Rodrigo e a Heleninha (e encontrar a Tia Diva), e escutarmos eles falarem de Amsterdam com tanto carinho, ela entrou para o nosso roteiro certo… mas com a gestação e as visitas que tivemos, o tempo foi passando e quase quase que ela “fica para depois”!

Mas nada como um super feriadão e a barriga crescendo (o que vai me impedir de viajar de avião logo logo) para tomarmos a decisão, meio que de última hora, e irmos realizar esse projeto!! Ainda com o incentivo de estarmos na primavera e nos dias do famoso parque das tulipas… a decisão ficou fácil!

Tendo uma semana de folga, conseguimos encaixar duas cidades: Amsterdam e Londres (esta em seguida terá seu post próprio)! Então… pé na estrada!

 

Amsterdam, capital da Holanda, não é uma cidade recheada de monumentos e pontos turísticos como Paris, por exemplo. Encontramos a sua beleza em uma caminhada, nas suas casas tortas, nos inúmeros canais e pontes, e nas incontáveis bicicletas que tomam conta da cidade.

OBS.: ao contrário do que imaginei, em um site encontrei a informação de que Amsterdam “conta com mais de 7 mil monumentos e edifícios declarados sendo de valor histórico, e com mais de cinquenta museus públicos e privados” (ver aqui).

Bem… seguindo…

Conhecida como a “Veneza Holandesa” (mais uma Veneza para a nossa listinha), devido aos seus inúmeros canais, Amsterdam é  uma cidade consideravelmente nova, pouco mais de 700 anos de história, mas tão bela e encantadora que seu Centro Histórico é Patrimônio da Humanidade, segundo a UNESCO.

 

Com mais de 800 mil habitantes (juro que não imaginei que eram tantos) a cidade é recheada de museus e programações para os incontáveis turistas que ali se encontram. Ficamos 2 dias na cidade e um terceiro dia no parque das tulipas (um encanto à parte), e acreditamos ser tempo suficiente para conhecer Amsterdam, não na sua totalidade, mas deixando um gostinho de “quero mais”.

Duas coisas realmente me chamaram a atenção: o cuidado com a cidade, repleta de parques e jardins floridos, dando um colorido todo especial aos dias normalmente nublados; e o carisma das pessoas que ali moram, prestativos e atenciosos ao dar informações.

 

Chegando na cidade e saindo da estação central, já nos deparamos com a inconfundível arquitetura das casas e da própria estação, além dos canais que estão por toda as esquinas. Nos munimos do mapa da cidade (adorei a embalagem parecida com um remédio) e partimos para nosso primeiro dia.

DSC07060

Estação central

DSC07061

Nosso inseparável remedinho, o mapa!

“Para a nooooossa alegria” (não resisti, desculpem) fomos brindados com um lindo dia de sol: raridade!! Como a primeira programação foi prejudicada por uma imensa fila de espera (não queríamos perder um dia de sol em uma fila para depois ficar mais de hora dentro de um museu), decidimos passear pelo bairro Jordaan.

DSC07071

Bairro antigo, atualmente conhecido como o bairro dos artistas e intelectuais, foi na verdade construído para abrigar os trabalhadores envolvidos na expansão da cidade através do cinturão de canais no século XVII. Portanto até as décadas de 60 e 70, foi um bairro de trabalhadores, só depois sendo tomado por artistas, estudantes e profissionais liberais.

É um local recheado com lindos canais, bares, cafés antigos ou Bruincafés – que são cafés com séculos de idade.

DSC07074

Aproveitamos para dar uma paradinha para nos deliciarmos com a famosa Appelgebak met slagroom, ou simplesmente torta de maçã com chantili. Segundo o DaniDuc do blog Ducs Amsterdam (para mim o melhor blog sobre a cidade), provar essa torta deve fazer parte da programação! Assim,  paramos na cafeteria Winkel 43 que, segundo o próprio DaniDuc, serve a melhor torta de maçã da cidade… realmente uma delícia!

torta

Passeamos pelas ruas deste adorável bairro, repleto de lojinhas encantadoras e que segundo Kimbell, que nos recebeu no Hotel Liberty (adoramos esse hotel e, sem dúvidas, recomendamos! Instalações simples mas muito boas e limpas, bem localizado e atendimento nota dez), por ser um bairro menos turístico, é onde encontraremos os melhores preços da cidade.

A famosa praça Dam é onde ocorre a festa de final de ano, com fogos de artifício e shows.  Antiga, grande e repleta de turistas, é onde encontramos o Museu da Madame Tussaud (que não visitamos por estarmos de partida para Londres em 2 dias) e o Palácio Real. Não é de uma beleza de tirar o fôlego, mas não se pode deixar de dar uma passadinha, dado seu valor histórico, tendo sido mercado central e também palco de diversos protestos.

DSC07090

Neste local existia uma represa do Rio Amstel (dam = represa) e ao seu redor que a cidade se desenvolveu. Essa represa virou praça, porém o nome permaneceu, sendo a origem do nome da cidade, que inicialmente era Amstel Dam (represa do Amstel), chegando a atual Amsterdam.

Abaixo o Monumento Nacional, que foi construído em memória àqueles que perderam suas vidas na Segunda Guerra Mundial, também presente na praça Dam.

DSC07087

Aproveitando o sol, visitamos a Feira Albert Cuypmarkt, que ocorre todos os dias, há mais de 100 anos. Uma feira de rua que vende de tudo: roupas, capas de celulares, flores, bicicletas, comida, etc. Apesar dos turistas baterem o ponto na feira, ela não deixa de ser muito frequentada pelos holandeses que ali moram. Mas tínhamos um motivo especial para nos deslocarmos até esta feira, os famosos Stroopwafels que a Cibele nos apresentou e que virou encomenda certa quando ela ia de Amsterdam para o Brasil. Lá fica a famosa barraquinha das “bolachas de caramelo” que são feitas na hora. Clarooo que comemos uma grande feito na hora e trouxemos um pacote na bagagem… tudo em nome do Pedro!

O Cris aproveitou e conheceu o tradicional Haring, um peixe marinho cru servido com picles e cebola. Gostosinho, mas cheinho de espinhos! Para as gestantes… atenção: só uma provinha! 😉

Se tem uma coisa que eu gosto é de viajar com o maridão… nosso jeito realmente combina! Normalmente temos um roteiro, até bem organizado (se alguém precisar de guia turístico, fale comigo… estou até pensando em abrir uma agência de viagens :D), mas a flexibilidade é o nosso ponto alto. E devido a ela, ao retornar de bonde para o centro da cidade, decidimos descer em um local não previsto, mas que era lindo… um pequeno jardim no meio de uma rótula.

DSC07104

DSC07102

DSC07106

Uma espiadinha no mapa e alteramos o roteiro… caminhando poucos metros pela beira de um canal, já estaríamos na Praça Het Museumplein, então bora caminhar um pouquinho! Essa praça reúne os museus Rijksmuseum, o Van Goghmuseum e o Stedelijlmuseum, além do Concert Hall e do famoso letreiro “I AMsterdam”, que parece ser o mais disputado de todos para fotos!

DSC07122

“I AMsterdam” ao fundo 😛

DSC07124

Uma passadinha no Mercado flutuante das flores, onde lembramos muito da minha mãe, que ia enlouquecer com as mudas de tulipas e após, um merecido descanso no nosso Hotel antes de partir para a noite de Amsterdam.

A noite não poderia acontecer em outro local que o famoso Red Light District (bairro da luz vermelha). Bairro famoso pelas vitrines em que as mulheres são o próprio “produto ofertado” – uma vez que a prostituição é legalizada na Holanda – além dos coffeeshops  – onde é permitido o consumo da maconha – e de diveros sexshops. Sim, tudo ali, nas ruas, nas vitrines, onde encontramos muitas famílias passeando, crianças, idosos… na grande maioria turistas.

É estranho para quem mora em um País onde a maconha e a prostituição não são legalizadas estar num local como esse, não há como não ficar curiosa e olhar mesmo. Mas mais curiosa ainda era a minha situação: grávida, com barrigão, neste local… confesso que no início me senti um tanto “estranha”, mas depois não tinha como não relaxar e curtir… afinal era o que todos faziam ali.

A foto abaixo foi tirada com a “autorização” dos policiais! Li em muitos blogs que não é permitido tirar fotos no Red Light District, mas acredito que a proibição esteja restrita às “profissionais” (há adesivos de proibição de fotografas nas vitrines). Contudo, nunca se sabe quando algum policial não vai pensar que você está tirando foto com um super zoom… então não custa nada pedir né?

redlight

eroticmuseum

Erotic Museum

O bairro que estamos falando é denominado De Wallen, o centrão. Porém é possível encontrar vitrines com mulheres ofertando seus trabalhos em outros locais da cidade e nos mais diversos horários. Pertinho do Hotel que ficamos tinham algumas vitrines com mulheres trabalhando pela manhã… é assim né? Afinal, você não sai cedo de casa para trabalhar?

Jantamos em um Pub super legal (novamente indicação do DaniDuc) chamado Beleerde Suster. Local agradável, bem decorado, onde além de ser um pub, é também restaurante e uma micro cervejaria local.

No segundo dia acordamos cedinho com o objetivo de evitar a enorme fila do Museu Anne Frank. Foi o museu escolhido por nós para visitar na cidade, uma vez que já tínhamos feito um super passeio em fevereiro, na cidade de Arles, vendo as paisagens (ao vivo e a cores) pintadas por Van Gogh.

Eu, muito culta que sou, nunca tinha ouvido falar de Anne Frank, mas ao fazer o roteiro me encantei por sua história: uma adolescente judia, que morava com sua família na cidade de Amsterdam, por volta de 1940. No seu aniversário de 13 anos, ganhou de seus pais um diário, onde inicialmente escrevia “coisas secretas” sobre a sua escola, amigas, garotos… como quase toda adolescente tem (ou tinha, na minha época ainda tínhamos os famosos diários)!

Logo após ganhar este presente, os nazistas invadiram a Holanda, enviando os judeus para os campos de concentração. O pai de Anne, que possuía duas empresas na cidade, decidiu se esconder com sua família e mais algumas pessoas em uma das empresas, e para isso contou com a ajuda de 4 pessoas, todos seus colegas/sócios.

Por 2 anos eles viveram uma vida de total reclusão, sem sair do esconderijo e sem sequer abrir as escuras cortinas para que não fossem vistos pelos vizinhos, tinham que ter cuidados diários como não falar alto (pois os funcionários da empresa que trabalhavam no mesmo prédio não sabiam que ali estavam), não utilizar as torneiras durante o dia (devido ao barulho dos encanamentos), etc. Uma verdadeira reclusão!!

Porém eles foram traídos (sem saber por quem) e descobertos, sendo todos encaminhados aos campos de concentração. Todos morreram, exceto o pai de Anne Frank, que retornou ao esconderijo ainda na esperança de ter notícias da sua família. Após saber da morte de sua filha Anne, decidiu ler seu diário e conheceu uma menina madura, totalmente diferente da filha com quem convivia… que mostrava através das palavras seus sentimentos e sua força. Assim, decidiu publicá-lo! O livro é um best-seller e existe em mais de 70 idiomas…

O museu, uma das maiores atrações de Amsterdam, fica na antiga empresa onde a família permaneceu escondida… é realmente emocionante! Não é permitido tirar fotos no museu, e por isso não temos um registro para colocar aqui 🙁

Após a visita, voltamos ao Hotel para tomarmos o café da manhã feito pelo anfitrião Kimbell (do Liberty Hotel) que nos falou mais um pouco da cidade!

O Hotel fica encostadinho na menor fachada de Amsterdam (o prédio é maior para trás), sendo portanto quase que um ponto turístico!!

DSC07136

Depois trocarmos de hotel para o Family Hotel Kooyk, que também indico pela estrutura, localização e especialmente pela atenção dispensada pela proprietária.

Esse segundo hotel ficava mais longe do centrão, porém mais próximo de outras atrações programadas para o segundo dia! Assim partimos para a visita ao lindíssimo parque Vondelpark, enorme e super bem cuidado, onde passamos agradáveis momentos a três. 

DSC07146

DSC07156

DSC07172

DSC07182

DSC07163

Pracinhas e cafés

DSC07150

Onde está o Pedro?

DSC07176

parque

A tarde um merecido passeio na cervejaria Brouwerij ‘t IJ, tao recomendada pela Cibele, Rodrigo, Daniel (agora o meu irmão). Uma cervejaria pequena, que funciona desde 1985,  muito agradável! Tem uma deck para ficar ao ar livre (que aproveitamos mesmo sem o sol do dia anterior), curtindo a paisagem dos canais e do moinho.

Quando as cervejas em si não tenho como falar (vamos aguardar um post a respeito né Cris?!), mas passei ótimos momentos com o maridão neste local, conversando e aprendendo um pouquinho mais sobre o fabuloso mundo das cervejas!!

DSC07190

moinho1

Nosso terceiro dia em Amsterdam foi dedicado ao Parque Keukenhof, que farei um post especial… mas antes dele, nos despedimos dessa agradável cidade com um passeios por seus canais.

DSC07229

DSC07243

DSC07212

Indicamos muito a cidade para quem for dar um pulinho na Europa, Amsterdam é imperdível!!