Tag Archive | gravidez

Conhecendo um pouco sobre o trabalho das doulas e das sage-femmes!

Hoje tive a minha primeira “consulta de verdade” com a sage-femme, ou seja, a primeira consulta em que um assunto específico foi abordado.

 

Mas antes de falar sobre o assunto propriamente dito, cabe esclarecer quem é a sage-femme e qual o seu papel no gestação e no parto.

 

Muitas pessoas me perguntam se seria a doula ou a parteira existente no Brasil. Em parte sim, mas há algumas diferenças…

 

DOULA:

Doula,  significa “acompanhante” ou “mulher que serve”, ou seja, é aquela que acompanha o parto. É também conhecida como Monitora, Assistente ou Acompanhante de Parto. É uma função que vem sendo resgatada aos poucos no Brasil.

Ocorre que antigamente as mulheres davam a luz acompanhadas de outras mulheres mais experientes que já tinham passado por parto(s) e poderiam ajudar a gestante neste momento tão delicado. Com o passar dos tempos, no entanto, o parto tornou-se um assunto médico, onde diferentes profissionais passaram a atuar, cada um com sua função bem definida (obstetra, pediatra, anestesista, enfermeira).

Porém, uma função restou vaga, a da pessoa responsável pelo bem-estar físico e emocional da gestante. Essa lacuna vem sendo preenchida pelas doulas, que surgem para dar um suporte emocional e afetivo à gestante, em um ambiente em que a maioria das pessoas que a rodeiam são desconhecidas, e em um momento em que na grande maioria das vezes a mulher está tomada pela dor, pelo medo do desconhecido e pela ansiedade. Assim, podemos dizer que o grande papel da doula é deixar a mãe segura e tranquila, para que o parto ocorra da melhor maneira possível.

O trabalho de uma doula por ocorrer dentro de um hospital, e neste caso essa profissional não conhece a gestante previamente, mas dá um suporte que os demais profissionais não conseguem dar devido à demanda hospitalar, chama-se doula voluntária ou institucional. Pode ocorrer de uma forma particularizada, onde a profissional é contratada pela gestante, conhecendo-a antes, acompanhando sua gestação e aconselhando/ensinando a respeito do trabalho de parto e  o puerpério (pós-parto).

São orientações a respeito de como passar pelo trabalho de parto de uma maneira mais tranquila, falando sobre massagens, respiração, exercícios, posicionamento, tudo que possa ajudar a gestante a aliviar suas dores e seus medos, além de orientar o companheiro em como ajudar a gestante neste momento tão delicado, sendo útil e dando um suporte para a gestante, participando ativamente do parto. Ainda presta informações a respeito dos tipos de parto, com suas vantagens e desvantagens, para que a opção seja feita de modo consciente, além de preparar a mulher para para os procedimentos médicos propriamente ditos, as intervenções, orientando como ocorrerá no dia do parto, deixando-a mais ciente e tranquila.

A doula também atua nas cesárias, dando apoio, confortando e ajudando a parturiente a relaxar durante a cirurgia. Após o parto é responsável pela assistência em relação a essa fase, orientando quanto a amamentação, cuidados com o bebê, etc.

Assim, podemos dizer que as funções básicas de uma doula são: acompanhar, oferecer um suporte emocional e físico à gestante, acalmar, passar seus conhecimentos, tudo com o objetivo final de ajudar a parturiente e também seu companheiro a passarem por este momento, o nascimento do bebê, da melhor forma possível.

A doula não faz procedimentos médicos nem exames, e nem mesmo cuida do recém-nascido, e por isso, não substitui qualquer profissional da área médica. É importante salientar que muitos médicos ginecologistas/obstetras prestam esse suporte às suas pacientes, fornecendo todo o suporte, seja ele físico ou emocional, necessário para que a gestante e seu companheiro fiquem tranquilos no momento do parto, bem como dando orientações a respeito das dores do trabalho de parto e de métodos para amenizá-las. 

A formação para ser doula ainda é privada, em cursos  que ocorrem timidamente pelo Brasil, tendo sido o primeiro no ano de 2001, na cidade de Campinas. Por serem cursos privados e não obrigatórios, há uma variação de carga horária, sendo de 40h este da cidade de Campinas. Não há uma profissionalização oficial, pois é uma atividade que atua sem oferecer riscos à população.

As doulas de atuação institucional, ou seja, aquelas que trabalham junto aos hospitais, normalmente são ali treinadas.

 

SAGE-FEMME:

Essa profissional (tradução: mulher-sábia), também conhecida como accoucheuse ou maïeuticienne possui basicamente as mesmas funções de uma doula  realizando um acompanhamento à gestante antes, durante e após o nascimento do bebê; porém, esse acompanhamento pode ir um pouco mais além do acima descrito.

A possibilidade de ir um pouco além é devido ao fato da mulher ter a opção de escolher, aqui na França, o profissional que vai fazer o seu pré-natal, dentre eles uma sage-femme, um ginecologista ou um obstetra. No meu caso em que estou sendo acompanhada por um obstetra desde o princípio, a sage-femme acaba por ter uma função praticamente igual a “doula particular”, e ocorre a partir da 30 semana de gestação, mais ou menos. Ou seja, ela entra em cena no final da gestação para aproximadamente 10 sessões onde tratará com a gestante (e com o seu companheiro, se possível) sobre diferentes temas como: a dor, a peridural, a respiração durante o trabalho de parto, exercícios e posicionamentos para aliviar as dores nas costas e as dores do parto, como é o dia do nascimento, os procedimentos médicos do dia do nascimento que são obrigatórios e os que não são, aleitamento, etc. Cada encontro tem um tema pré-definido. Assim, neste caso, ela atua sim como uma doula, sendo o seu papel aconselhar, acalmar, orientar.

Caso a gestante opte por ser acompanhada desde o princípio por uma sage-femme, essa será responsável por realizar o diagnóstico e a declaração da gravidez (sim, aqui você ganha uma declaração que está grávida, para encaminhar a aos organismos públicos como o sistema de saúde e o de assistência a moradia) e todo o procedimento que o gineco e o obstetra também realizam no pré-natal: pedir exames, analisar seus resultados e até mesmo realizar ecografia. Mas é importante frisar que a sage-femme só pode acompanhar a gestante durante toda a gestação se aquela não tiver nenhum antecedente patológico. Desde 2009, a sage-femme pode ainda prescrever a contracepção feminina.

 

Bem, há duas grandes diferenças entre essas profissionais, pelo que pude perceber (da minha vivência até este momento e das minhas leituras):

1) durante o nascimento a sage-femme é a pessoa responsável por todos os procedimentos antecedentes ao parto, sendo ela quem faz o monitoramento da dilatação, o acompanhamento das condições do bebê, quem orienta a gestante buscando o seu conforto e quem chama o anestesista quando a parturiente decidir pela peridural. É responsável também pelo parto natural (sem a necessidade de nenhum acessório – se precisar de fórceps, por exemplo, outro profissional que atua) nas maternidades, sendo que o obstetra só entra em cena na necessidade de uma cesária. Neste dia tão importante, essa profissional possui também a função de assegurar a boa saúde do recém-nascido e analisar os seus reflexos. A doula, ao contrário, não pode realizar o parto, mesmo que normal, nem mesmo se ocupa do bebê logo após o nascimento.

2) no que diz respeito a formação, a da sage-femme é bem extensa, são 5 anos, à nível de graduação. É realizada por uma escola especial ligada à maternidade, sendo a admissão nesta escola feita por classificação. O diploma é emitido pela Faculdade de Medicina, pois o primeiro ano é feito conjuntamente com outros cursos da área da saúde – medicina, farmácia e cirurgia dentária – (nos 4 anos restantes, 1/3 é dedicado á parte teórica e 2/3 à parte prática).  

Após o nascimento, as sages-femmes dão uma espécie de monitoramento para as mamães, por uma semana, orientando sobre os cuidados com o bebê, a amamentação, contracepção hormonal e reeducação uro-ginecológica. 

 

Algumas curiosidades:

* Aqui na França o acompanhamento da sage-femme não é obrigatório, porém muito aconselhado, especialmente no caso de tratar-se da primeira gestação. Esse acompanhamento é pago pelo sistema de saúde.

* Em todo o post me referi às profissões de doula e sage-femme no feminino, simplesmente pelo fato da grande maioria dos profissionais atuantes serem mulheres; porém, é importante dizer que não são profissões exclusivas do sexo feminino, podendo sim serem exercida por homens. À nível de curiosidade, a profissão foi aberta aos homens aqui na França em 1985, e a sua denominação é Accoucheur ou Maïeuticien.

 

 

 

Barriguda… a evolução

Hoje, com 27 semanas de gestação, a barriguinha virou barriga… em breve: barrigão!

Sincermente, não tinha idéia de como ela ia crescer tão rápido depois de um certo período. No início era um tormento, nada dela aparecer. Mas agora, muda a cada semana! E esta fase começou com a chegada das famílias para nos visitar… acho que o Pedro queria se exibir, aparecer um pouquinho para os avós, tios e primos.

O Cris perguntava sempre se estava comendo fermento, de tão rápido que ela cresceu 😛

Depois daqueles dias das visitas da família (estava com 22 semanas), não parou mais de crescer e crescer…

Hoje já quero sair na rua mostrando o nosso pequeno piá, estou louca para que esquente para usar as roupas lindas de gestante de ganhei (não preciso falar o quanto é elegante uma mulher grávida que sabe da importância de usar roupas adequadas para esse período né? Falando nisso… tem uma loja maravilhosa em Santa Maria para gestantes e bebês que eu adoro… hehehe)! Ainda bem que na fase de barrigão vai ser quente aqui na França! Dá pra pegar um solzinho, exibir a barriga, caminhar, eita coisa boa!

Mas essa barriga já dá um trabalhinho que vocês nem imaginam… eu não imaginava ao menos que me abaixar, por exemplo, seria tão cansativo! Algumas mudanças:

* limpar a casa já não é mais a mesma coisa, a cada abaixada de 1 minutinho, preciso uns 2 ou 3 para me recuperar, preciso sentar e respirar mais devagar: o Cris assumiu a limpeza de algumas partes mais difíceis da faxina, como a banheira e o chão do banheiro (que é cheio de cantinhos)! Um gentleman, não?!

* dormir já não é mais o meu esporte favorito! Verdade… o desconforto nas costas (e já adotando um travesseiro no meio da pernas e outro dando suporte para a barriga) me faz levantar cedinho (tá bom… lá elas 8h30min).

* e colocar os tênis para sair caminhar? Não é mais só me abaixar e rapidinho estar pronta… hehehehe, tenho que rir da cena!

Estes dias ao colocar os tênis o Cris me falou “daqui uns dias tu estarás como eu e o pai (referindo-se a falta de flexibilidade)!” Verdade… apenas com a diferença que depois do Pedro nascer, tudo deve voltar ao normal… para mim! 😛

* refluxo e azia: isso é realmente uma coisa um tantinho desagradável! Já li a respeito: são os hormônios! Malditinhos!! E infelizmente não há muito o que ser feito. As orientação são as básicas… não comer chocolate, não deitar após de alimentar, não comer muito, não beber durante as refeições, não beber água durante as crises…

 

OBS.: após publicar este post, fui fazer o meu almoço e acabei voltando aqui para acrescentar o item abaixo:

* desatenção e falta de noção de espaço! Como pode uma pessoa repetir sempre ps mesmos “erros”? Pois essa é a minha sina, ao menos por enquanto! Mas agora imaginem… ao colocar o sabão em pó e/ou amaciante no compartimento da máquina de lavar, sempre errar o espaço e derrubar metade no chão; ou bater a caneca cheia de leite, todos os dias, quando vai colocá-la no microondas; tropeçar nos próprios pés?! Só rindo mesmo… não podia deixar de postar aqui!

(…)

 

Mas não posso reclamar! Afinal, são os primeiros desconfortos e já estamos na fase final, passei mais de 5 meses com uma gestação super tranquila!

Bem… vocês devem estar curiosos para ver a pança né? Ok, ok, ok!! Mas preparem-se, afastem-se um pouco do computador para dar espaço!

20130428_100506-1[1]

Achei melhor colocar uma foto de perfil… para garantir a segurança de vocês!

 E aí? O que acharam?

Beijinhos meus e do Pedro!!

 

Uma dupla declaração de amor!!

Estou passando pelo melhor momento da minha vida… sei bem que muitos virão, mas estou curtindo cada segundinho agora.

É uma experiência incrível perceber que tem um bebezinho dentro de mim, crescendo a cada dia! Imaginar que daqui uns 4 meses ele estará nos meus braços e na minha vida!

Ainda mais incrível é ter ao meu lado um marido tão especial, que vive toda essa fase intensamente comigo! Cada manhã dando bom dia para o nosso bebê e acariciando a minha barriga, procurando sentir os seus movimentos, estudando a respeito dos bebês, tendo momentos a três (as vezes só eles dois, é bem verdade) inesquecíveis!!

Após 7 anos e meio, o Cris me escolheu para ficarmos juntos “até que a morte nos separe”, há quase 6 anos! Nosso casamento, um momento único, marcou para sempre minha vida!

Agora, ele realiza o meu sonho (e também dele), de termos uma família completinha!

As emoções e os sentimentos dessa fase são intensos… é estranho, mas não tenho (ainda) nenhuma dos medos e das inseguranças comuns das mães de primeira viagem (Saberei isso? Saberei aquilo? Serei boa mãe?)… vivo uma felicidade plena, que na verdade nem sabia que existia!

 

Vivo um mundo novo, um mundo que esses dois rapazes tão especiais me deram… o Cris e o Pedro!!

E como não podia deixar de ser, tem uma música que me faz pensar nisso, que transmite o que sinto de uma forma linda… apesar de ser da Sandy, essa é a minha declaração de amor para vocês dois!

 

CLIPE

“E apesar de ser tão imenso
Cabe em mim
O mundo que você me deu”

 

Meus dois homens, meus dois amores!! Amo vocês!

 

Nova “amiga” aqui em casa!

Tenho uma notícia bem legal pra contar… coisa de mulher! No final de semana ganhei um presente de grego do Cris, para me acompanhar por toda a gestação: uma BALANÇA! Uhuuuu image E aí? Onde está a notícia boa?

Calmaaaa que ela chega!

Antes, como não poderia deixar de ser, uma historinha!

Na verdade já tínhamos que ter comprado essa balança há tempos, mas fomos deixando, deixando., meio que sem querer sabe? 😛

Como já falei anteriormente não tenho muita base para avaliar o meu ganho de peso, e aqui explico porque: quando cheguei aqui na Europa, estava com uns 3 ou 3,5 kg a mais, resultado da “época de engorde” que eu e o Cris passamos no RS… um mês a base de comemorações, churrascos, cerveja e muita comidinha boa pra lá e pra cá… às vezes até parecia que os familiares e amigos estavam felizes com a nossa partida, hehehe! O fato é que toda e qualquer reunião era motivo de junção, e junção da boa tem que ter comida!

Que fique claro que isso não é, de forma alguma, uma reclamação… é só parte da historinha, ok?!

Mas deu nisso, quilinhos a mais na “bagagem pessoal” para a Europa!

Chegando aqui, no verão de 40 graus, a perda desse excesso foi super rápida, em menos de 2 semanas já estávamos como mesmo peso de antes! Assim, entrando nas roupas novamente, não me preocupei com o número na balança!

Quando engravidei (início de novembro) não tinha balança e nem me dei por conta de me pesar. Sabia que estava mais ou menos com o peso que cheguei no RS (antes da época de engorde), uns 61,5kg. Mas vieram os primeiros meses, as festas de final de ano, as viagens, visitas e… após tudo isso, a preocupação!

Uma balança emprestada mas não muito boa, acusou 3 kg como resultado desse período.

OBS.: o “não muito boa” não é pelo peso, mas porque ela nuunca mudava de peso, algo muito estranho!

Normalmente não ficaria tããããooo assustada, afinal sempre ganhei peso nesta época do ano, mas grávida é outra história, não posso me descuidar da saúde. Sendo assim, voltei para a alimentação regrada e comecei tímidas caminhadas, e o resultado apareceu (não em números inicialmente, mas nas roupas e fotos).

Resumindo um pouco a história (afinal são quase de 2 meses de lá pra cá), no dia 14/02, na minha terceira consulta médica me pesei no consultório (de roupa, mas cuidei a roupa para repetí-la na próxima consulta) e deu 65,5kg, como já contei aqui. No limite máximo!!!

Nesta semana (03/03), numa manhã após o xixi, como deve ser (na minha humilde opinião 😛 ), me pesei e na minha nova balança e…

 

image

…deu 64,70 kg!!

O resultado foi um emprenho ainda maior para me manter nas caminhadas, alimentação equilibrada e sempre buscando a saúde, para mim e para o nosso bebê!!

Barrigudinha…

…Essa é a nova forma como o Cris me chama! Ahhh se fosse em outros tempos ele certamente estaria de cama, se recuperando…
Mas agora estou adorando! 😉

Estando aqui no Velho Mundo, tão longe da família e dos amigos, e nesta fase da gestação o principal questionamento é a respeito do sexo do bebê e a maior curiosidade é de ver o crescimento da barriga!

Quanto ao sexo do bebê, no final de março faremos a próxima ecografia, e poderemos dizer se será uma gremista como a mamãe ou um colorado como o papai! 😛
Claro… afinal, se for menina, ela ficará no shopping com a mamãe enquanto o papai vai no jogo (garota esperta), mas se menino, nada mais justo que sofrer torcer ao lado do papai!

Ahhh e quanto a vontade de saber o sexo só no dia do nascimento, pensamos muito e percebemos que mais gostoso do que essa surpresa, seria poder fazer algumas comprinhas mais específicas para o nosso bebê, além de poder chamá-lo pelo nome desde cedo!

 

Mas… e a barriga?

Segue abaixo o desenvolvimento!

3meses

Estamos fazendo o registro, tentando manter uma certa regularidade. O que vocês acham?
Andei ohando alguns desenhos de previsões do tamanho da barriga e acho que está dentro da normalidade…

563048_10151618249245312_1455721958_n

Ainda não é “aquela barriga” que as pessoas olham e dizem “ela está grávida”, mas para quem sabe, a diferença já é visível!

Pela manhã, no momento familiar com a nossa barriga, eu e o Cris sentimos ela bem durinha… abaixo do umbigo (ahh, e esvazio a bexiga antes).

 

Na semana passada tive a primeira impossibilidade de usar uma calça jeans, que é com cintura mais alta… não fechou! Querem saber? FIQUEI FELIZ DA VIDA!

Hoje completamos 18 semanas de gestação, ou seja, entramos no quinto mês! Logo logo ultrapassaremos a metade desse lindo período!
Nosso bebê já possui cerca de 15cm e 200 gramas, sendo comparado a um mamão papaya e, em comprimento, a uma banana (essa comparação e complicada, dada a diversidade de bananas que temos no Brasil, mas fazer o que né?) 😛

Terceira consulta médica

No dia 14 de março, dia dos namorados aqui e em todo o mundo (exceto no Brasil, eu acho), tivemos a nossa terceira consulta médica!

Sem ecografia, seria a nossa primeira consulta mais clínica (pois a primeira foi mais um “oi Dr. estou grávida e quero que sejas o meu médico), com verificação do bebê, medição da barriga, verificação do peso, perguntas e respostas…

Porém, nossa consulta foi rápida e, desta vez, isso até irritou um pouco o Cris.

 

Inicialmente foi a primeira vez que tivemos que esperar alguns minutinhos… nada de mais, acho que uns 20 minutos.

Quando atendidos, o médico fez o Doppler para escutar o coração do nosso bebê. Me assustei um pouco muito, pois esperava escutar o coração dele como na ecografia… rezei milhares de orações em 1 ou 2 minutos, enquanto o Doutor mexia a cabeçote com certa força para tentar escutá-lo. De repente ele para e vai para ao Ultra-som… pensei: “algo está errado!” –> confesso: quase chorei!!

Mas ele estava ali, se mexendo bastante (e desta vez nem tomei o achocolatado). Perguntei sobre o coração que não ouvi, e ele voltou ao Doppler para me tranquilizar… uuuufa!!

Bem, o fato é que com esse aparelho a escuta é mesmo diferente (agora eu sei), mais baixinha!

Depois então o médico pediu que EU me pesasse… eu!!

Com roupa (meia, calça jeans, blusinha de baixo e blusa de lã fina…) deu 65,5kg. Com a minha confusão com os números franceses, quase disse para o Dr. que estava com 60,5kg… hehehehe!! Tentei, mas o Cris não me deixou enganá-lo!

Aumentei 4,5kg em 16,5 semanas. Ele me disse “pas mal” ou seja, que “não estava mal”… que a idéia é aumentar em média 1 kg a cada mês… ou seja, estou NO LIMITE!!

Eiii… vocês que já engravidaram aí… lembram quanto aumentaram por esta época? conta aí nos comentários 😉

 

Depois disso… pedido de exame de toxoplasmose e pronto!! :-O

Então passei para as minhas perguntas, minhas dúvidas… ele respondeu a todas e logo encerrou a consulta, meio que com pressa!! E isso irritou sim meu maridão!

 

Não sei se é mesmo assim… sei que isso é muito diferente que no Brasil!

 

Bem, nosso bebê está super bem… não vejo a hora de sentí-lo mexer na minha barriga… aliás, barriga que não para de crescer! Em breve as fotinhos (o Cris precisa arrumar o comparativos das 3 que temos)!!

Mas adivinhem… primeira calça (certo que é a que eu mais gosto) sem fechar na cintura! O que antes era pânico agora virou motivo de orgulho… eita vida doida essa!

Peso e medida

Neste domingo completamos 16 semanas de gestação!!

Pelo meu programinha de informações (indicado por várias amigas e que me acompanha no computador e no celular), nosso bebê tem aproximadamente 12 cm – uma “pêra grande” – e 100 gramas, sendo que na próxima semana ele vai praticamente dobrar de peso e crescer bastante!

Fico olhando fotos na internet e tentando me informar sobre o tamanho da barriga nesta fase, mas a diversidade é muito grande! Tem mulheres que parece que estão ganhando o bebê, e outras com menos barriga que eu antes de engravidar – ok, sei que não e uma boa comparação, hehe!

Nesta próxima semana teremos nossa terceira consulta médica, e ao que tudo indica, será uma consulta bem clínica, pois não está prevista a ecografia (a próxima será na metade de março). Sendo assim, o médico deve me pesar e me medir pela primeira vez… confesso que estou um pouquinho tensa com a situação, hehehe!! Nas duas primeiras consultas ele não fez nada disso, apenas perguntou sobre o meu peso. Antes mesmo de pensar que o médico é bom ou ruim, vale lembrar que a consulta médica daqui da França é bem diferente da brasileira, sendo super objetiva – leia aqui. Como eu não tenho uma balança boa em casa (pela minha estou com o mesmo peso de quando engravidei, beleza né?!), fica difícil saber o quanto engordei. Ontem me pesei numa balança no supermercado, e seu aproximadamente 4 kg a mais! Considerando que eu estava muito apertada para ir no banheiro (e depois fiz muito xixi), estava de calça jeans e bota (sim, eu tinha roupa em cima), será que posso diminuir 1 kg? hehehe!! Ahhh as eternas desculpas…

Bem, esse programa que falei diz que com 16 semanas devo ter aumentado entre 2,5kg e 5kg… então acho que to na média!

Nesta semana também bateremos a terceira foto da barriga, fotinho de perfil… então em breve vocês poderão comentar o que acham (atualmente tem sido o pedido mais frequente: queremos foto da barriga!!). O Cris já me chama de barrigudinha! Sabe… é a primeira vez na vida que gosto disso… se fosse antes, mataria ele!

Outras novidades me acompanham nesta fase. A sensação de bexiga cheia é a mais forte… apesar de ter ligo que era normal urinar mais nos primeiros 3 meses e depois diminuiria (o que me parece estranho se pensarmos que com o crescimento da barriga haverá maior contração da bexiga – mas já sei: são os hormôniooosss! Há outras mudanças no organismo além da barriga!). E olha que infelizmente não consigo tomar a quantidade de água indicada – mas estou melhorando!

Os seios nem preciso falar né? Parece que vão explodir, que vou acordar asfixiada ou estrangulada por eles!! hehehe!

De resto, coisas aparentemente normais, cansaço físico, sono (apesar desse ter diminuído bastante)… mas tem coisas boas também: cabelo mais bonito e brilhoso, pele aparentemente melhor e mais bonita (apesar da rosácea ter aparecido de novo), vontade de comer mais coisas saudáveis (sim, saladinha todos os dias)…

O papai tá um babão, graças a Deus, está acompanhando toda a gestação bem de perto e participando de tudo. Além de me chamar de barrigudinha e se preocupar muito com a saúde da mamãe do filho dele (ahhh pq não sou mais esposa) e do próprio bebê, já faz carinho na barriga e até olha roupinhas nas lojas!! 😀

Bem, por hoje era isso!! Parabéns ao nosso bebê que está grandinho e forte…

Segunda consulta médica (escrito em 11/01/2012)

Hoje foi o dia da nossa segunda consulta médica, e da primeira ecografia!!

Estamos quase completando o primeiro trimestre; 11 semanas e 5 dias!

 

Como eu sabia que teria a primeira ecografia, não hesitei! No café da manhã tomei um caneco de chocotino para que o bebê estivesse bem acordado! O Cris deu uma criticada comentada dizendo que era “desculpa” para a minha vontade de comer chocolate! 😛

 

Ao chegarmos no médico, fomos direto para a eco. Ficamos impressionados como dá pra ver direitinho o bebê com tão pouco tempo… na verdade, nem esperávamos ver com tanta perfeição!

Essa consulta foi um pouco mais demorada por causa do exame, mas sequer passamos na sala do médico, ficamos só na ecografia mesmo, ou seja, não teve exame clínico, nem pesagem, nem medição da barriga, nem aconselhamentos diversos…  Muito diferente do que ouvimos falar das consultas no Brasil, como relatado aqui.

A parte mais importante dessa consulta foi fazer o exame da nuca – transluscência nucal – para verificar a possibilidade de uma alteração cromossômica, como a Síndrome de Down. O fato do médico repetir o exame umas 3 vezes assustou bastante o papai, mas agora sabemos que é o procedimento correto, uma vez que esse exame depende muito da mão do médico. De qualquer forma já realizei também a coleta de sangue para a realização do mesmo exame através da contagem hormonal, deve ficar pronto em 1 semana 😉 –> já ficou pronto, porém, o resultado desse exame em especial vai diretamente para o médico e só para ele, como ele não telefonou para adiantar a consulta, estamos tranquilos e acreditando que está tudo certo!

E o médico não parava de repetir “il se bouge beaucoup!” (ele se mexe bastante!!). BINGO!!

O danadinho estava numa verdadeira festa… dava pulos, mexia os braços e as pernas, e dificultava bastante a medição pelo doutor! Achei a maior graça!

Relaxando... de pernas cruzadas ;)

Relaxando… de pernas cruzadas 😉

5,4cm o grandalhão mede! Sabe o que é isso? Ele está deixando de ser um figo, para ser um limão! –> Quanta transformação! Essa consulta foi um pouco mais demorada por causa do exame, mas sequer passamos na sala do médico, ficamos só na ecografia mesmo, ou seja, não teve exame clínico, ne pesagem, nem medição da barriga, nem aconselhamentos diversos…

Feliz 2013!! (escrito em 06/01/2013)

Feliz 2013!! Que ele seja tão maravilhosos para todos vocês que estão acompanhando o nosso blog como ele promete ser para a nossa família!   Após as festas de final de ano e viagens para visitar a família francesa e com os amigos… a vida volta ao normal!! Graças a Deus tudo correu tranquilamente com os passeios. Inicialmente em Paris, consegui fazer quase toda a programação, que foi intensa, quase toda a pé! Apenas à noite fizemos algumas modificações e jantamos perto do apartamento em que estávamos ou no local do último passeio do dia, não se deslocando muito para jantarmos e não esticando a noite, afinal o dia era puxado! Em Tours a maratona ficou por conta da cozinha francesa!! Comemos muito… tudo tranquilo para uma gestante (evitando os vinhos deliciosos presentes em todas as refeições e as ostras tradicionais de Natal).   O papai Cris, logo que soube da gravidez, se mostrou um pouco preocupado com nossa viagem de final de ano. Já estávamos com tudo certo… amigos com passagem comprada e planos de viajar de carro… fácil a administração: com os amigos companheiros de ceva, eu ficaria de “motorista da rodada”, pois bebidas alcoólicas estão proibidas!! O Cris ficou apreensivo até a primeira consulta médica, em que o médico foi claro ao afirmar que era para “seguir a vida normal” e que “poderia dirigir”. Neste quesito tudo certo… não tive muitos dias de cansaço e pude acompanhar o grupo nos passeios e até nos bares, especialmente em Barcelona… acho que a Espanha é o país das cervejas sem álcool! Trouxe um estoque!!   Hoje, dia seguinte ao final das férias de final de ano, o dia foi de descanso!! Dormir sem despertador e esticar um pouco no sofá no meio da tarde ajudaram na recuperação!!   No final desta semana teremos nossa segunda consulta médica, e apesar do médico não ter me pesado na primeira, o medo tá batendo, pois a balança daqui de casa (não é muito boa, mas é o que temos no momento) acusou 2kg a mais desde a nossa saída de casa no dia 21/12.   O nosso bebê completa hoje (pela contagem brasileira) 11 semanas!! Tem um pouco mais de 4cm e aproximadamente 8 gramas… cresce rápido esse pitoco!! Segundo minhas leituras, ele já se mexe bastante, apesar da mamãe aqui não sentir nada.   Logo logo, completando 3 meses, poderei espalhar a notícia entre os amigos e familiares, e partilhar a nossa alegria!!

Carência e muito choro… um sintoma? (escrito em 19/12/2012)

Estou lendo muitos livros sobre a gestação e sobre bebês, como já falei aqui. Acho que nunca na minha vida tinha lido 3 ou 4 livros ao mesmo tempo. Nada como entrar num mundo desconhecido né? Fosse o mundo das tias… eu já estava craque!

Um desse livros é bem light, chama-se “simplesmente grávida” e eu ganhei de uma colega de francês. É um livro tipo diário de gestação, onde uma mulher fala da sua segunda gestação.

Neste livro (e também em vários outros locais) li que a mulher normalmente fica mais chorona e carente na gestação. Até ontem a noite não sentia nada disso!

Porém, ontem o maridão aqui resolveu fazer greve de conversas comigo ao chegar do trabalho… aí já viu! Me encontrei sozinha, longe da família e sem marido! DESABEI!!

E ainda era um dia que eu queria estar com a família: minha irmã enfrentando uma barra, a outra na maior correria na nossa loja, meu irmão prestes a fazer entrevista de doutorado… e eu sem falar com minha mãe há mais de 4 dias.

 

Bem, a noite passou lentamente… insônia… lágrimas…

Mas o dia chegou, e com ele o sol. Claro que para o maridão tudo normal… ahhhh os homens!! E isso por uns instantes me irritou! Mas fazer o que? Bora seguir a vida, e em breve, literalmente empurrando com a barriga esses pequenos probleminhas.